quinta-feira, 23 de julho de 2015

OS DOUTOS CAÇADORES DE LULA


Já escrevemos nesse espaço a impiedosa e incessante caçada que o PT e, especialmente, o ex-presidente Lula vem sofrendo desde que tomou posse em 2003. Até então os caçadores se limitavam à oposição, a elite conservadora e fascista do país e à mídia hegemônica, agora uma versão contemporânea do “Comando de Caça aos Comunistas", leia-se PTistas, ganhou importantes aliados: parte do Ministério Público Federal (MPF) da Polícia Federal e do Poder Judiciário.

No dia 20 de abril o Procurador Anselmo Lopes, deu início a uma "Notícia de Fato", baseada tão somente em matérias dos jornais na qual o ex-presidente Lula é suspeito de tráfico de influência internacional em favor de empresas brasileiras no exterior. Nessa “Notícia de Fato” duas coisas chamam atenção. Uma que ela foi aberta sem qualquer indício ou prova contra o ex-presidente Lula e a outra é que esse procedimento foi instaurado por um Procurador, declaradamente, antilula, fato já comprovado no seu perfil no Facebook durante as eleições de 2014, onde desferiu uma série de ataques ao ex-presidente e elogios escancarados ao então candidato Aécio Neves.

Depois de aberta essa “Notícia de Fato”, houve sorteio e foi escolhida a Procuradora Mirella Aguiar para decidir sobre a abertura ou não do inquérito civil público. Em sua decisão a nobre Procuradora afirmou que "...os parcos elementos contidos nos autos – narrativas da imprensa desprovidos de suporte probatório suficiente – não autorizam a instauração de investigação formal do representado".

No entanto, e para surpresa até do mundo mineral, como diria Mino Carta, o ínclito Procurador Valtan Timbó Mendes Furtado, aproveitando-se das férias da colega Mirella Aguiar, se “apropriou” da “Notícia de Fato” e para criar um fato político (desculpe o trocadilho) instaurou o Procedimento de Investigação Criminal (PIC) contra o ex-presidente Lula.

A abertura desse PIC pelo Procurador Valtan Timbó está suscitando inúmeros questionamentos. É sabido que esse Procurador está respondendo junto à Corregedoria do Ministério Público Processos Administrativos. Um deles é devido a sua negligência no exercício de suas funções, pois, levou três anos para apresentar denúncia contra os indiciados pela PF na Operação Sentinela, que investigou corrupção no TCU em 2004, e atrasou o andamento de ao menos 245 processos que estavam sob sua responsabilidade.

O ex-presidente Lula apresentou no dia 09/07/2015, dentro do prazo, as informações solicitadas pelo MPF, mas, curiosamente, o Procurador instaurou o PIC no dia 08/07/2015, um dia antes. Diante de tudo isso há que se perguntar: o que levou o Procurador a interferir de maneira tão arbitrária nesse caso? Por que o Procurador, sabidamente negligente, atropelou os prazos e instaurou tão rapidamente o PIC contra Lula? Por que não aguardou o retorno da “Procuradora Natural” do caso para que decidisse sobre o destino da “Notícia de Fato”? Queria o Procurador criar um fato político para prejudicar o ex-presidente Lula?

Evidente que a abertura desse PIC conseguiu um dos seus intentos: ganhar as manchetes da mídia e produzir matérias fantasiosas e distorcidas sobre o fato. O jornal “O Globo” afirmou que o presidente Lula fez lobby a favor da Odebrecht em Portugal, porém, o jornalão dos Marinhos levou uma “trolha” oficial e internacional do Primeiro Ministro de Portugal, Pedro Passos Coelho que desmentiu, categoricamente, o jornal.

Outros veículos de comunicação também foram desmascarados, como, por exemplo, o jornal “Estadão” e a revista “Veja”. O jornal no dia 23/07/2105 manipulou publicação do grupo WikiLeaks para comprometer o ex-presidente Lula, mas foi devidamente, desmascarado pelo jornalista Luís Nassif que teve acesso à publicação do WikiLeaks, intitulado "A Productive Visit By Lula" e mostrou que a matéria foi, vergonhosamente, deturpada pelo jornal “Estadão”. A revista “Veja na edição de 29/07/2015 trás uma capa terrorista com a foto de Lula e o título “A vez dele”. A matéria caluniosa, afirma que há “devastadores segredos" contra Lula em uma delação de José Adelmário Pinheiro, executivo da empresa OAS, mas antes mesmo de a revista ser distribuída os advogados da empresa informaram em Nota que “...A reportagem é mentirosa e irresponsável...Não há nenhuma conversa com o MPF sobre delação premiada, tampouco intenção nesse sentido”.

Conforme se vê nos relatos acima, esse caso, malgrado as anomalias legais, tem um viés político com objetivo muito claro: minar a candidatura de Lula em 2018 e manchar a história do maior líder popular do país; e caso não prospere o inquérito ele já criou no imaginário coletivo o clima desejado do "aí tem coisa"! Realmente é um verdadeiro complô orquestrado por essa nova versão do “Comando de Caça aos Comunistas/PTistas”!

0 comentários:

Postar um comentário