sexta-feira, 12 de junho de 2015

O ÓDIO CONTRA LULA NÃO TEM FIM


Mesmo sendo desgastante, certamente, o ex-presidente Lula já se acostumou com os incontáveis ataques que, diuturnamente, são desferidos à sua pessoa por parte da imprensa e pela elite conservadora e fascista do país. São agressões carregadas de ódio, infâmia, intolerância e desejo de vingança contra ele e o Partido dos Trabalhadores.

Aliás, nesse sentido o grande mestre Emir Sader escreveu: “...Lula virou o diabo para a direita brasileira, comandada por seu partido – a mídia privada, pois, Lula representa a esquerda realmente existente no Brasil, com liderança nacional, latino-americana e mundial. Lula representa o resgate da questão social no Brasil, incorporando definitivamente os pobres e o mercado interno de consumo popular à vida do país...Lula representa o líder que não foi cooptado pela direita, pela mídia e pelas nações imperiais. 

E é por tudo isso, que após a reeleição da Presidenta Dilma os senhorzinhos da “Casa Grande” inconformados com a quarta derrota consecutiva iniciaram uma forte ofensiva contra o governo tentando o impeachment da Presidenta e não conseguindo o seu êxito o foco da oposição mudou. Agora o objetivo é impedir a candidatura do ex-presidente Lula nas eleições de 2018, para tanto, os ataques estão vindo de todos os lados.

Desta feita, a nova ofensiva é a tentativa de envolver o Presidente Lula no escândalo da Operação Lava-jato. Segundo a imprensa, a PF identificou que o Instituto Lula recebeu recursos financeiros da empresa Camargo Corrêa, uma das empresas investigadas na citada operação. A notícia insinua que os recursos repassados ao Instituto estão ligados ao escândalo da Petrobras.

A CPI da Petrobras, que é pautada pela mídia, não pestanejou e para criar um fato político contra Lula convocou o Presidente do seu Instituto, Paulo Okamotto para prestar depoimento sobre a aplicação desses recursos.

O que chama atenção nessa nova investida contra o ex-presidente Lula é que, mais uma vez, a imprensa, a PF e agora os Deputados estão politizando uma investigação com intuito claro de prejudicar o ex-presidente. E isso não é mera retórica, é fato, pois, basta ver que o Instituto FHC (IFHC) recebeu três vezes mais recursos da Camargo Corrêa do que o Instituto Lula e não está sendo questionado e muito menos investigado.

Em 2002 a revista Época publicou uma matéria assinada pelo jornalista Gerson Camarotti, cujo título foi: “FHC passa o chapéu”. Na reportagem o jornalista informou que FHC reuniu, em um jantar de gala no Palácio da Alvorada, os 12 maiores empresários do Brasil. O objetivo foi levantar recursos financeiros para o Instituto FHC (IFHC). Os 12 comensais do ex-presidente fizeram uma doação conjunta de R$ 7,0 milhões [hoje R$ 16,3 milhões] à sua ONG. Naquela oportunidade participaram do jantar, dentre outros, o empresário Luiz Nascimento, Presidente da Camargo Corrêa, aliás, conforme noticiou o Portal 247, o IFHC recebeu, novamente, da empresa Camargo Corrêa a bagatela de R$ 1,7 milhão em 2011. 

A propósito, vale ressaltar, reforçando a tese da partidarização midiática, que depois de deflagrada a investigação contra o Instituto Lula, a revista Época teve a cara de pau de retirar do seu site a referida matéria.

Com essas reportagens e diante da caradura da revista Época fica claro que essa investigação contra o Instituto e contra o ex-presidente Lula tem um único condão: tentar impedir a sua candidatura em 2018, ou ao menos, desgastar a sua imagem perante o povo brasileiro.

Frente a tudo isso e diante da irrefutável politização das investigações perguntamos, aos “ínclitos” Delegados da PF, aos “nobres” Parlamentares da CPI e à Revista Época: por que o IFHC que recebeu quase quatro vezes mais recursos da empresa Camargo Corrêa do que o Instituto Lula não está sendo investigado? Qual a diferença entre os dois institutos? O presidente do IFHC será convocado pela CPI? Por que a revista Época retirou do seu site a matéria “FHC passa o chapéu”? Com a palavra as autoridades e a “mídia nativa”! 

0 comentários:

Postar um comentário